Etiquetas

, , , , , ,

Começou por volta dos 11 anos, tomou forma aos 13: Aquela sensação constante de ser diferente, oBullying sofrido no colégio, a percepção que me sentia atraido por homens e não mulheres.

Sou produto de um lar católico, onde a religião permeiou minha criação, assim como a antiga culpa religiosa. Meus pais, figuras carismáticas são avessos a diferenças, assim como minha única irmã.

Não foi fácil, e não esta sendo fácil, 4 anos após sair do armário para amigos e um ano após ter a fatídica conversa com minha mãe (a última a saber o que já era sabido) ainda colho doloridos frutos da minha orientação sexual.

Mas aprendi, aquela culpa e sensação se dissipou quase que completamente, e me permitiu buscar formas de lidar com isso e ajudar outros como eu (muitos outros, bem mais do que os 10% apontados nas pesquisas).

O primeiro passo se deu com o meu TCC: a estruturação comunicacional de um produtor de conteúdo gay.

Estou a poucas horas de apresenta-lo, e isso tem trazido grandes reflexões, uma delas foi o motivo de estar o realizando. Para introduzi-lo busquei alguns videos, e me deparei com a campanha It Gets Better, composta de videos com mensagens anti suicídios como estes dois a baixo:

Este segundo principalmente me tocou muito. Foram anos de pensamentos suicidas e duas tentativas, uma aos 14 e outra aos 15 anos. Ninguém até hoje tinha conhecimento disso,  mas achei que precisava ser dito. Por que realmente “Fica melhor”, ou pelo menos melhor do que a infernal pré adolescência.

Ao escolher esse tema para meu TCC, desmistifiquei inúmeros tabús sobre o universo e comportamento gay. Conheci um pouco melhor o que sou e o que quero ser.

It gets Better, paradas gay, petições e manifestações são apenas uma parte do que pode ser feito, e a minha parte esta sendo feita aqui, neste post e também no TCC que retrata gay como um público importante e respeitado. Talvez tenha optado por faze-lo pelo fato de querer me sentir assim com mais frequencia.

Portanto agradeço a todos que participaram deste processo, e lembre-se vai ficar melhor!