Quando assisti Musica para cortar os pulsos muita coisa me afetou, os dilemas, as frases, as músicas.

Agora 3 meses depois não consigo parar de pensar em uma sequencia da peça em que o personagem do Kauê Telloli diz se sentir um dublê de si mesmo em algumas ocasiões.

Estou me sentindo assim nos últimos meses. Meus planos estagnaram, meu cotidiano foi se dissolvendo e vejo pessoas que conheci, em lugares que frequentei e não sinto nada. Não tenho saudade, não tenho vontade de voltar ali mas não me entenda mal, também não me arrependo de ter ido mas sinto que fui um dublê por alguns anos.

Agora só falta encontrar o que satisfaz o protagonista.🙂