Ultimamente tenho trabalhado até tarde, e é uma delicia, quando 80% da galera já foi embora, o vuco vuco das redes sociais já se acalmou, finalmente é possível sentar e focar no que precisa de mais concentração.

Em uma dessas noites, a Carol me acompanhou, e estávamos conversando, ela falava com aquela voz doce, carinha de meninha e mega educada, quando seu telefone tocou:

– Oi filho,

-…

– Não filho, agora você vai ficar quietinho que só a mamãe fala.

-…

– Lembra o que a gente conversou? Você vai terminar a lição de casa, ai a vovó vai deixar você ver televisão. Senta, faz a lição rapidinho, termina o que tem que fazer e ai pode ver a TV e brincar.

– …

– Não adianta chorar, é assim que vai ser ta bom?

-…

-Beijo filho, mamãe te ama.

Tudo isso no maior carinho e calma do mundo.

Depois disso eu parei e me senti engraçado, meio culpado por não ter feito minha lição de casa e ido para o bar, mas ai lembrei que aquilo ali não era minha lição de casa, era o que eu queria estar fazendo.

Com a Carol esse dia eu aprendi duas coisa: Que as vezes a gente precisa lembrar dos conselhos das nossa mães e cumprir as nossas obrigações antes de aproveitar as farras da vida, e percebi que há alguns meses meu trabalho deixou de ser trabalho e virou um prazer, logo eu que nunca fui muito de gostar de trabalho.