Desde sábado passado a Marcha da Maconha tem sido tema da minha timeline no twitter, nos jornais e no dia a dia, e tenho uma posição relativamente diferente, por isso resolvi falar sobre ela aqui no blog.

Para ficar claro lá vai:  Sou a favor da marcha, da legalização, mas  não da maconha.

Isso pode soar engraçado, e tentei explicar diversas vezes para muitas pessoas e na maioria das vezes fui chamado de careta a incoerente.

Bom, vamos partir do inicio, quando fumei pela 1ª vez: Achei uma bosta, assim como a 2ª na 3ª e na 4ª vez. Fiquei desanimado, bobo e  sem nenhum controle sobre o que acontecia ao meu redor, um peguete meu falava que isso era coisa de aquariano, que não gosta de perder o controle (levando em conta que ele cherava até talco, acho que não devo levar isso em consideração certo?)

Para você que fuma e curte, pode falar que o seu barato é outro, que  fica criativo, relaxado, zen, ve Deus, o que for. Mas desculpa nunca ninguém que eu conheci ficou mais interessante fumado.

Por isso eu sou contra a maconha, todos os meus conhecidos são infinitamente melhores pessoas  quando não estão chapados, simples assim.

Mas ai temos a liberdade: eu posso optar por não conviver com quem fuma, e isso aconteceu naturalmente, apesar de muitos amigos continuarem a fumar, e mesmo me incomodando, vou lidando com isso, a maioria respeita e quando estou junto nem se habilita a acender um.

Agora, do mesmo jeito que eu não gosto de maconha, gosto de cigarro, uma substancia química, viciante, como a maconha, e não gostaria em nenhum momento que ninguém ditasse se eu devo ou não fumar os meus cigarros.

Obviamente lembrando que maconha deixa lesado, e acho que os usuários devem sempre se lembrar de evitar correr riscos como dirigir, assim como os chegados em uma birita (o que sou,e por isso mesmo nem me habilitei em tirar carteira de motorista.)

Sou a favor da legalização de muitas coisas: de casamento gay, de aborto, de drogas, eutanásia concedida  e acho que cada um tem o direito de fazer o que quiser, desde que não faça mal ao outro, (na questão do aborto,  considero que deva ser uma opção da mãe até a 12ª semana de gravidez). Só não tenho posição sobre o armamento, porque pra mim arma é uma coisa tão cretina que não deveria nem existir mas não dá para ser idealista e achar que as armas vão sumir do mundo.

E acho que todo mundo tem direito de falar e pedir o que quiser. É horrivel pensar que um neo nazista tem direito de querer a minha morte por eu ser gay, mas infelizmente ele tem esse direito, assim como uma pessoa contra aborto pode me considerar um assassino quando eu falo na legalização até o 12º mês de gestação.

Acho que existem linhas muito tênues quando se fala em justiça, legalização, uso de entorpecentes, mas você já parou para pensar que essa busca pela legalização da marcha pode ter um custo?  Ela defende que cada um fale o que pensa mesmo ou fala o que você quer e pensa?

Eu defendo a democracia, defendo a liberdade, mesmo sabendo que ela pode custar minha vida (seja um grupo nazista apoiando a lei de extermínio de gays, seja sendo atropelado por um motorista bêbado ou chapado), apesar de achar que matar alguém deva ser considerado crime. Agora você: que confirma evento no Facebook, e xinga muito no twitter, você tem consciência disso? Ou você está pensando apenas  na sua brisa?

Sejamos sinceros e vamos começar a ver que antes de defendermos a legalização de qualquer coisa precisamos debate-las, por isso foi tão importante essa segunda marcha pela liberdade.

Isso sim meu amigo, vale a pena lutar: LIBERDADE DE EXPRESSÃO E DEBATE, o resto, é resto e vai demorar muito pra gente crescer e poder legalizar alguma coisa.