Etiquetas

, , , , , ,

Todos sabemos que é característico de pobre ser criativo, quando se trata de mãe pobre isso fica ainda mais evidente, além do cotidiano que exige que ela seja versátil temos as formas inusitadas de lidar com as frustrações da vida. A minha por exemplo tinha uma série de técnicas incríveis pra me açoitar e desestressar, assim como minhas tias e umas amigas pobres.

Dai eu resolvi fazer um top 5 surra infância pobre com os apetrechos e artimanhas mais elegantes e eficazes da pobreza:

Havaiana molhada: Olha, nessas horas eu agradeço pela infância pobre, porque se a havaiana além de molhada tivesse aplicação de miçanga noi tava tudo fodido. O interessante da havaiana molhada é que além de arder tipo pimenta em cu, ainda deixava marca por uns 5 dias, risquinho por risquinho. Acho que é por isso que tenho esse apego com tattooagem.

Fio de Ferro: Esse era tenso também mas não muito, na época os ferros eram aqueles da Black & Decker que o fio vinha encapado com tecido então rolava uma amortecida.

Cinto: O bom e velho cinto, era uma pegada mais de pai bater com ele. Levei uma surra só, quando tinha 7 anos pq tinha chutado minha vó e disse na escola dia seguinte que tinha tomado um rola de patins, mas né, mereci!

Tinha também uma tia que trabalhava com uma vibe tortura e esquentava a fivela do cinto pra bater em um primo ceis acreditam? Ficava imaginando a tortura psicológica: além de levar um coio de cinto ainda ficava no aguardo 5 minutinhos pra dorar o ferro. TENSO.

Espada de São Jorge: Pouca gente sabe, mas além de feia essa planta dói pra caralho. É dura, ardida e PUXA A PELE JUNTO. É o apice da criatividade da mão pobre, hoje em dia deve ter algum babaca que chama apanhar disso de educação eco consciente certeza.

Beliscão com dedão do pé: Esse é um clássico de família pobre grande. Quando sua progenitora quer pagar de classe média na frente dos parentes e fica de frente pra você na mesa só com o dedinho pronto pra dar um beliscão na primeira merda que você falar. Técnica também usada em eventos escolares e empresariais em que não é possível um ataque histérico.

E é isso ae, parando pra escrever acho que dá até pra fazer outro Top 5 surra infância pobre, vamos acompanhar.

Esse texto foi inspirado no maravijoso Tumblr da Juliana Kataoka :)