Etiquetas

, , , , , , ,

Há mais de um ano, assistindo o Manhattan Connection vi um trecho de “Io sono l’amore”, o então novo filme de Tilda Swinton. Instantaneamente postei, com promessas de já amar o filme

O tempo passou e nem sinal da estréia do longa no Brasil, e quase me esqueci dele até a indicação ao Oscar de melhor figurino. O blog site da Lilian Pacce o tinha como preferido, mas obviamente não levou a estatueta, pelos motivos citados no texto dela.

Ai chegou sexta-feira, 19 de agosto. Sem alarde, em meio a blockbusters do porte de Super 8 e do cultuado Melancolia que estreara na semana anterior, entrou em cartaz, sob a alcunha “Um sonho de amor”

Fui assisti-lo , na companhia da Sofia, uma amiga que é parceira de cinemas desde os 13 anos. Aprendemos juntos amar cinema,  sermos abertos a tudo que nos era apresentado e nos deparamos com um filme espetacular.

Nada ali é novo: trama, figurino, arte, trilha, tudo muito manjado, mas conduzido de forma tão delicada e elegante pelo diretor italiano Luca Guadagnino que dá gosto de ver. A sequencia final me fez perder o ar como há muito não acontecia

Não tenho habilidades para analisar em profundidade a obra, pra isso teve o Diego Benevides, que a fez com maestria. O que me importa é a beleza, a emoção e a surpresa, de ter, mesmo quase 10 anos depois do inicio dessa minha jornada cinematográfica, filmes que me façam sentir e lembrar porque amo a tal 7ª arte, e claro, a minha melhor amiga Sofia.

Espero que vejam o filme, que se emocionem como eu, e que tenham com quem compartilhar essa italianíssima experiência.

Anúncios