Etiquetas

, , , ,

Nunca fui uma pessoa prática e que encarava a vida com facilidade, o que acarretou a uma sensação constante de que tudo era difícil pra mim. E não, não tive uma epifania e percebi que nem tudo é difícil. Simplesmente percebi nos últimos meses que não adianta de nada ficar se martirizando.

Não é fácil, as recaídas são constantes: você se pega triste por um motivo bobo, que acarreta análises e mais análises do que deu errado na vida. Mas ai é respirar, pensar que já foi, que não tem porque lembrar e muito menos analisar; os erros foram cometidos assim como os acertos, o que tinha pra ser aprendido ali já foi aprendido. Tristezas velhas devem ser tratadas como pequenas cicatrizes, lembranças do que não deu certo, que deixou sua marca, mas está ali curada, e pegar um estilete e rasgar aquela pele não vai adiantar de nada.

Ai tem também os processos: atitudes palpáveis ajudam o balanceamento mental, escolhas simples podem e vão te ajudar. Por exemplo: estou desde sexta – feira comemorando meu aniversário, que ocorre no dia 6, uma segunda – feira. Nunca fui muito afeito a comemoração de aniversário, tendo nascido no começo de fevereiro ou os amigos estavam viajando, ou o carnaval fazia o favor de me ofuscar. Ficava chateado com os que não compareciam, os presentes não ganhos e enlouquecido tentando agradar a todos. Ora, que bobagem! E esse ano resolvi simplificar. Para isso optei por uma comemoração quádrupla!

Além de ter retomado o animo que tinha tempos atrás percebi que meus grupos se desmembraram em muitos, portanto fui à busca de um bar em que os amigos mais velhos e casais pudessem se sentar, conversar e tomar um drink, isso na sexta, para emendar que já estavam na rua, jogo rápido, nem que fosse para um simples parabéns. Depois no sábado foi o dia dos amigos baladeiros, a casa escolhida era grande, fumodromo livre, bebida relativamente barata que de quebra levou uma animada escola de samba para esquentar ainda mais a comemoração.

E o domingão? Bom, dia de família e marcamos um jantar, apenas meus pais e minha irmã, por motivos puramente técnicos os planos mudaram e foi remarcado para quinta – feira, tudo bem, tudo bem, mais tempo para se comemorar mesmo.

A segunda, dia oficial e de trabalho, muito por sinal, então porque não emendar com uma comemoração na agência? Chefia autorizou e bastou mandar aquele e-mail coletivo e aguardar que não chova.

Obviamente muita gente que inclusive havia confirmado não pode ir. Em contra partida amigos de amigos embarcaram e se divertiram junto comigo. Foi tudo tão deliciosamente alegre que custo a lembrar do porque não gostava das comemorações, melhor assim

Acho que a idade está me trazendo algumas coisas melhores do que esperava, e talvez a mais especial delas: a facilidade. Que bom, que bom.