Etiquetas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Saiu na Folha de São Paulo, no caderno Cotidiano: Kassab proíbe livros finos, nada com menos de 300 páginas poderá ver a luz do dia. A ilustrada tratou de entrevistar o secretário da cultura, a editoria do caderno 2 do Estado de São Paulo estampa a manchete: A morte do conto. Larte se coloca contra medida, Pondé afeito de textos rápidos se contradiz como sempre, elogioso a medida encarada com horror pelos pseudo cult.

Uma imagem de um tristonho Cortazar povoa o Facebook e a marcha dos pequenos livros é marcada para o vão livre do Masp encabeçada pelos uspianos da ECA. A noite, Carlos Nascimento dispara: já fomos mais inteligentes! Nossas mulheres liam facilmente 500 páginas de cada volume da biblioteca das moças. O Roberto Bressane escreve um tocante texto da importância dos contos na sua vida reverberado aos quatro ventos pelo Alexandre Yousef.

A marcha dá errado, 3 estudantes são presos, spray de pimenta e bala de borracha povoam a consolação para onde fogem os manifestantes que queimavam edições da Ilíada e das primeiras edições de Catadores de concha da Rosamunde Pilcher. A Carol Patrocínio tweeta inconformada a declarações do governador Geraldo Alkimin: a literatura composta de contos não é literatura, que emburrec a sociedade mas que nem isso da direito do Kassab acionar a policia militar.

No domingo a Veja sai com uma capa de folhas soltas em um deserto: A polemica do fim dos contos na sociedade paulista, na Vejinha uma senhorinha de muitos anos olha perdidamente para a câmera segurando um texto do amado que fora publicado em uma coletânea.

Depois de reuniões infindáveis a Cia das letras cria o 500 contos para se ler antes de morrer com Inácio loyola Brandão entre Vargas Llosa e Machado de Assis, vendidos a muitos reais obviamente, é o jeito. Os sites ilegais de crônicas desaparecem em semanas por falta de acesso.

Dois meses se passam, tudo meio esquecido, nenhuma marcha marcada, até a mesma Folha dar na capa: Kassab proíbe o sorriso, com direito a uma triste crônica do Xico Sá contando seu primeiro mostrar dos dentes e Katylene, meio desaparecida, volta com o meme E AGORA NARCISA?

Advertisements