Etiquetas

, , , ,

Sei que estou sendo repetitivo mas não tenho como deixar passar o tema. Fiquei matutando este post por dias, desde que a tendenciosa reportagem sobre o F*hits foi publicada pela Isto é Dinheiro 

Tive meus debates com companheiros de trabalhos e amigos da área sobre a questão de publicidade, conteúdo pago e lobby de conteúdo de moda mas isso não foi o que me deixou mais incomodado, o meu principal ponto foi o trecho da matéria em que se fala sobre a exclusão das mulheres manequim acima de 46 da loja virtual do F*hits.

Esse ato tão duramente criticado nada mais foi que a formalização da exclusão do gordo no universo da moda. Já fiz aqui um post gigante sobre moda masculina plus size e essa tendência de se apagar o gordo. Não serei hipócrita e dizer “viva o gordo” e dizer que todo gordinho é lindo, que o sobrepeso deve ser incentivado porque não deve: esteticamente a grande maioria não é atraente, e vocês estão lendo isso de alguém que costuma gostar de uma barriguinha e boy com mais carne assim dizendo.

Não se pode também ignorar as questões de saúde: com22 kg a menos fui abandonado pelas dores nas costas, cabeça e estomago que marcavam presencia diária na minha vida.

Gordos em geral não possuem senso estético, principalmente os homens, em grande parte por falta de incentivo da industria da moda e da cultura da celebridade que o diminui constantemente e principalmente não oferece alternativas ao preto total e corte reto.

Mas acredito veementemente que independente da minha opinião sobre a estética do sobrepeso, independente da opinião dos influenciadores da moda e da milionária industria que rege esse universo não é de direito de ninguém excluir o outro baseado em um fator físico.

Será que a gente nunca vai crescer e eternamente vamos deixar o gordinho por ultimo na escolha do time na educação física? Porque isso? Você já parou para pensar porque se incomoda tanto com o corpo do outro ? Não sentir atração por pessoas gordas não te faz uma pessoa ruim agora se fechar nesse universo da magreza é sintomático de uma geração cada vez mais vazia.

E gordos, porra gordos, fazer campanha com hashtag no twitter não é engajamento e não vai mudar porra nenhuma. Que tal falar sobre as dificuldades, criar tendências para o plus size e principalmente desenvolver boas referencias.

Todo grupo tem seus ídolos, espelhos e assim como para a comunidade gay e negra é difícil se identificar com icones é difícil para os gordos e espero que nós hiper conectados possamos mudar isso e não deixar figuras como Alice Ferraz dominar também o social online.

Abaixo a ditadura da moda, abaixo a ditadura da magreza mas principalmente abaixo ao comodismo do gordo que se deixa apagar e ao magro que se acha melhor por ter um IMC menor que alguém.

Anúncios