Etiquetas

, , , , , , , , , , , , ,

Tenho um grande apreço por shows, sejam eles mega espetáculos pop ou uma pequenina roda de samba em um boteco. Vou em uma média de 3 apresentações por mês e gasto uma quantia considerável de dinheiro para alimentar tal hábito portanto me sinto no direito de tecer criticas variadas que vão de estrutura a comportamento dos artistas.

 Por estar presente em tantos shows comecei a perceber uma necessidade do público em ser percebido, fã ou não parece que o que importa é ser visto pelo artista, estar perto ou pelo menos que ele tenha conhecimento de você, como individuo ou grupo por isso as multidões vão ao delírio quando um astro internacional arrisca meia dúzia de palavras em português por exemplo.

Porém nessa ânsia todas as vezes o contentamento vem na forma de uma punição, atrasos infindáveis por exemplo (que acarretam em pedidos e mais pedidos de “desculpa”, e pequenas retribuições como uma música pouco cantada) e isso me mata.

Ontem fui ao show da Madonna, e novamente achei um fiasco, a chamada Rainha do Pop tem seus méritos, está com um corpo impecável, tenta ao máximo e consegue acompanhar as coreografias elaboradas e não tem vergonha alguma de buscar apoio em seus dançarinos, back vocals, figurinos e cenário, afinal é disso que se trata um show pop não é mesmo?

Mas vamos aos problemas: lembro que em 2008 ao perguntar para um fã qual música ele gostaria de ouvir recebeu como pedido Like a Virgin, ela desconversou e cantou outra, oras se não quer cantar seu grande clássico não precisa, deve ser realmente uma merda entoar a mesma música por 50 anos, Bethania passou anos sem cantar Carcará que a catapultou para o sucesso mas então não peça opinião para o público, soou como uma vaca e não no sentido legal do termo.

Ai temos o atraso, gritando fuck the rain Madonna se desculpou – oi fia, foda-se a chuva porque você ficou duas horinhas lá no coberto esperando passar enquanto quem pagou uma pequena fortuna estava te aguardando. Entendo que com tanto ballet e figurinos elaborados fica complicado um bom trabalho na chuva porém com 150 anos de carreira a senhora Madonna deveria não pensar “foda-se eles esperam” e sim “foda-se vamos dar um jeito dessa porra rolar com sol ou chuva”.

Madonna usa play back, e muito, fora isso canta pouco, passa muito clipes enquanto faz suas lentas trocas de roupa e descansa, o que é plausível, ela tem idade e pouca paciência mas video clipes? Sério? Macy Gray não aguenta por conta das drogas, Ozzy pela sua tenra idade e em ambos os casos ao precisarem se retirar do palco deixam uma banda espetacular entretendo seu público.

Outra atitude desnecessária foi a provocação com a jovem Lady Gaga, veja bem, não sou fã incondicional de praticamente ninguém, meus grandes ídolos que me emocionam são Bethania e Roberto Carlos e nem por eles entraria em uma briga, ambos são icônicos, me tocam na alma mas nenhum paga minhas contas né?  Mas não deixou de ser triste ver aquela jovem senhora cantando Born this way em meio a Express yourself deixando claro que o hino da diversidade é dela, poderia ser apenas impressão minha porém ao costurar a música com She’s not me Madonna deixou claro a provocação. Burra porque bem ou mal em termos de simpatia e de animação de público Gaga deu de 10 no mês passado.

A T4f produtora do show enfim parece aprender finalmente realizar grandes shows, começa a dominar questões estruturais básicas mas poderia ter tido um pouco mais de apreço pelo público, com uma venda de ingressos pífia poderia diminuir em pelo menos 300 metros sua pista preminum. Tal pista na minha opinião não deveria nem existir mas já que está lá pra que mante-la tão grande se não tem público? Ficou feio uma turma desanimada que claramente estava ali por ter ganho ingressos, foi o que aconteceu comigo que de tão entediado me sentei por boa parte do espetáculo.

Já não tinha gostado do show em 2008 mas quis dar uma nova chance a dita Rainha, não rolou, uma pena, sigo admirando pela construção da carreira mas com pontinhos a menos pelo desrespeito ao público a não profissionalismo.