Etiquetas

, , , , , , , , , , , , , ,

Como falei no primeiro post sobre o centro do Rio de Janeiro a região é bem barata, em especial a Lapa, isso se você fugir dos lugares mais elitizados vamos assim dizer.

Ir até a região é um processo de exploração, se quisermos fazer uma comparação com São Paulo poderíamos dizer que o bairro é um mix de Vila Madalena com Baixo Augusta e nem assim seria possível chegar em um bom descritivo do local.

Para chegar é só descer na estação Cinelândia do metro e andar duas ou três obscuras quadras (sim, é considerado perigoso mas sempre fui tranquilo) ou pegar um ônibus ou taxi.

Sair de lá é mais complicado, em geral os motoristas de taxi da região ficam muito tempo na fila então dão preferência para corridas longas (para Copacabana e Leblon por exemplo) caso esteja no Flamengo, Botafogo, Laranjeiras ou algum local que a corrida de em média 10 reais já poupa o trabalho de discutir e fale: vou no lugar xx mas pago 20 reais pela corrida, sim, é um roubo mas na maioria das vezes a única opção se quiser pegar um taxi.

Dica preciosa de Edu Castelo: se for tomar taxi ignore os Santana, 99% são carros detonados (já comprovei ahahah)

Ir de carro é bobeira, a graça ali é beber, sem contar o relativo transito e escassos estacionamentos no local.

Como tenho meus lugares preferidos por lá toda vez acabo fazendo programação dupla: um bar ou restaurante aleatório para conhecer e depois meu bar de sempre ou o bar de sempre seguido de uma balada.

O bar em questão é sempre a Casa da Cachaça, presente que ganhei da dupla Diego e Bia no meu carnaval do ano passado, desde então todas as vezes que pisei em terras cariocas vou pra lá.

A Casa da Cachaça é um boteco, mesa na calçada, muita gente em pé na rua e uma infinidade de boas pingas. Conseguir um copo é tarefa árdua mas faz parte, com o preço acessível se fosse muito fácil morreríamos todos de coma alcoólico ahhaha. Se der sorte de pegar uma mesa é só intercalar as cachaças com  cerveja que a noite vai longe (não que você não possa fazer isso em pé, mas admito é bem puxado)

O espaço é praticamente no fim habitável da avenida Mem de Sá no nº 110, rua principal pós famosos Arcos que concentra baladas e bares, mais pra frente dizem ser bastante perigoso mas nas vezes que desbravei não vi nada de mais.

Casa da cachaça

Casa da cachaça

Em termos de bar é possível encontrar de tudo, do mais calmo ao mais temático (reggae, forro, samba e até rock) então se estiver com um grupo de amigos experimente uma maratona: reserve 2 horas para o trajeto permanecendo 20 minutos em cada bar tomando um drink ou um shot, nem sempre é fácil entrar então é só pular os mais cheios e retornar com mais calma um novo dia.

Boa pedida é também a feirinha que acontece de baixo dos arcos de quinta a domingo se não me engano, com certeza é programa para os mais animados, confesso que já comi os lanches das barracas e bebi tequila no combo 1dose por 3 reais , 2 doses por 5 reias  e estou vivão (e nem passei mal). Comer, beber e dançar – você se sente um adolescente mas é uma delicia.

Feirinha dos arcos: apenas os fortes sobrevivem.

Feirinha dos arcos: apenas os fortes sobrevivem.

Se o negócio é comer o restaurante o Nova Capela, na Mem de Sá nº 96 é clássico, com uma centena de anos  funcionando exibe um cardápio tipicamente de boteco e raro bom atendimento (ser bem ou rapidamente atendido no Rio é algo quase impossível) o preço não é dos mais em conta mas está longe de ser uma pequena fortuna.

Quer balada? Também não faltam opções: pra começar o icônico Circo Voador na própria Rua dos Arcos s/n, palco de uma das melhores programações do país e que faz dançar do hippie ao hipster, do mais hetero ao mais gay. Nem sempre o programa mais barato da noite com ingressos que variam muito de valor conforme a atração, vale conferir com bastante antecedência porque ingressos esgotam com facilidade no local.

Circo Voador

Circo Voador

Para os amigos gays corajosos recomendo o Buraco da Lacraia na Rua André Cavalcanti, nº 58. Reza a lenda que antigamente garçons pelados serviam as bebidas mas no fim das contas a bagaceira do lugar se dá mesmo pelo público não abastado, de todas as idades e tipos: não minto pessoas bonitas são raras no lugar mas com entrada que varia de VIP a 35 reais (depende do horário de chegada) open bar de cerveja, refrigerante e água vale tudo (ah cervejas em copinhos plásticos de festa infantil). São vários espaços que abrigam bares, uma sala de jogos (???) com mesa de bilhar e totó, karaokê (muitos clássicos do brega e romantismo) e pista de dança (com um inexplicável cheiro de frango frito). Não espere salubridade ou qualquer tipo de luxo mas tenha certeza que com bons amigos você vai sair com pelo menos boas histórias e risadas de lá.

O maravilhoso videoke do buraco com os amigos dando show <3

O maravilhoso videoke do buraco com os amigos dando show❤

Acho que é isso, a Lapa é incrível, com certeza um dos lugares mais livres do Rio então se joga,com dinheiro em espécie de preferência pra facilitar e um celular podrinho afinal qualquer lugar cheio é lugar pra propicio a furtos e não deixe isso impedir a diversão